Aprendizados financeiros que a pandemia nos trouxe!

Apesar de tantas perdas, a pandemia do novo Corona Vírus deixou sim diversos aprendizados para milhares de brasileiros. Leia neste artigo.

O ano de 2020 mal chegou e já bagunçou a nossa vida inteira. Logo no mês de março, quando estávamos curando a nossa ressaca do Carnaval, a Pandemia do novo Corona Vírus (COVID-19) chegou e acabou com todas as resoluções que mal havíamos terminado de fazer para o ano novo. Todos os nossos planos foram postos à prova, e muitos ficaram realmente impossíveis de serem realizados.

Hoje, quase um ano depois do início da pandemia, ela ainda não acabou! Continua bagunçando e virando de ponta a cabeça a vida de, literalmente, todo o mundo.

Anúncios


Dados divulgados pelo Institui Paraná de Pesquisas revelaram que cerca de 80% de toda a população brasileira foi financeiramente prejudicada devido à pandemia.

A gente sabe que em uma pandemia que ceifou a vida de milhares de pessoas ao redor do mundo não dá para dizer que existe um lado bom. Calma, não nos interprete mal.

Porém, não podemos negar que os aprendizados existem sim, e são tão palpáveis que fica impossível negá-los. Quer ver?

Uma pesquisa realizada pela Locomotiva Instituto de Pesquisa, demandada pela Xpeed, da XP, revelou que após a pandemia, 41% dos brasileiros buscaram informações a respeito de Educação Financeira!

Anúncios


Isso aconteceu porque com a crise ocasionada pela pandemia, milhares de trabalhadores perderam os seus empregos, os grandes empresários tiveram perdas absurdas (justamente o motivo da grande diminuição do quadro de funcionários) e diversos pequenos empresários tiveram que, literalmente, fechar as portas.

Ou seja, situações como crises financeiras em massa como a que acontece atualmente, levam o indivíduo a pensar mais a respeito de educação financeira e reserva de emergência, por exemplo.

Anúncios


Se a grande maioria dos brasileiros tivesse no banco a quantia equivalente a 6 meses de contas pagas, talvez muitas das dificuldades enfrentadas teriam sido enfrentadas com mais calma ou até mesmo, nem existiriam, para falar a verdade.

Mas a necessidade de se adaptar a um novo tempo, diferente de tudo o que já havíamos conhecido, e a resiliência, foram características adquiridas por muitos brasileiros a partir das experiências que a pandemia trouxe: elas resultaram em aprendizados e novos interesses que, para um povo de forma geral, são muito positivos.

Anúncios


Neste artigo, vamos te apresentar quatro práticas que, aplicadas a finanças, poderão te salvar do buraco financeiro inclusive em situações de crise como a que estamos vivendo agora!

Confira!

Tenha uma reserva emergencial

Todo mundo sabe que é preciso guardar dinheiro, mas infelizmente, poucos fazem. E você, leitor: é desses que costuma torrar até o último centavo?

Durante a pandemia, quem já cultivava o hábito de guardar dinheiro, passou por menos dificuldades de quem não cultivava. Quem não tinha este hábito, passou a querer ter, o que é algo muito positivo para o indivíduo, que, uma vez pego de surpresa por algum imprevisto, não perderá sua estabilidade financeira tão facilmente.

Anúncios


Portanto, concluímos que uma das lições que a pandemia nos trouxe foi a de que guardar dinheiro é necessário e fundamental. Seis meses de contas pagas é o suficiente para manter em sua reserva emergencial. 

Comece anotando o valor total da sua receita mensal e anote também os seus gastos fixos ou variáveis: dessa forma, você tem uma visão completa das suas finanças.

Analisando as despesas variáveis: será que você não consegue cortar alguns gastos que não são exatamente uma necessidade? Identifique estes gastos e perceba que você poderia sim, estar economizando e estocando dinheiro mensalmente há muito tempo. Perceba qual o valor exato da quantia que você poderá guardar a cada mês e comece a juntar a sua reserva de emergência.

Tenha em mente que apenas a disciplina e a persistência poderão sustentar este seu objetivo, pois como já mencionamos em outros artigos aqui no blog, sempre haverá uma desculpa para que a gente gaste mais dinheiro do que o necessário! Que tal começar a identifica-las e manda-las para longe a pontapés?

Anúncios


Ganhe mais, gaste menos

É necessário ter uma imagem clara de quais são os seus objetivos financeiros. Mas mesmo para quem não tem esta imagem ainda muito bem definida, uma regra é fundamental: não se deve nunca gastar mais do que se ganha.

Na vida, é impossível controlar todas as coisas e aspectos. Porém, quando se trata de diminuir a margem de riscos, há muito o que pode ser feito. Por isso que aconselhamos a todos os nossos leitores que cultivem o hábito de fazer planejamentos financeiros.

Como fazer isso?

Priorizando os seus gastos fixos, isto é, os gastos das suas necessidades! Água, alimentação, saúde, moradia, entre outros.  Coloque tudo em uma planilha para que você visualize melhor os seus gastos e assim, possa identificar os erros para corrigi-los.

Para que os corrigir? Para que você possa alinhar as suas atitudes em relação a dinheiro à suas metas e objetivos pessoais.

Anúncios


Fique em casa

Aproveite que estamos em pandemia e curta fazer mais coisas dentro de casa. Programações caseiras quase sempre são mais baratas das que encontramos na rua.

Em vez de pedir comida ou sair para jantar, que tal se aventurar na cozinha? Já existem milhares de canais no Youtube ensinando gente normal, como eu e você, a cozinhar pratos deliciosos! Essa história de “não sei cozinhar
“ não existe mais.

Outra dica valiosa é a de ir atrás de uma renda extra. Explore os seus talentos! Hoje em dia, monetizar a sua paixão através das redes sociais já virou algo possível. Você começa vendendo para os seus amigos e familiares, e então eles irão indicar o seu bom trabalho por aí.

Anúncios


Este artigo foi útil para você? Se sim, ele pode ser útil para diversos amigos e familiares! Por isso, não deixe de compartilhar nas suas redes sociais e de deixar o seu comentário aqui para a gente!

Fernanda Reis
Redatora formada em Jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco, fotógrafa nas horas vagas e mãe da Aurora. Nascida e criada em Recife (PE). Em seus 28 anos de vida, sempre teve paixão por escrever e um interesse especial pelas áreas de Economia e Finanças.

Artigos Relacionados

Em Alta

Aguarde…

0