Juros simples: Para que servem e como calcular?

Os juros simples estão presentes em diversas operações financeiras do dia a dia. Aprenda como calcular

Você faz compras parceladas? Se a resposta for sim, saiba que os juros simples já fazem parte da sua vida. Eles estão, na grande maioria das vezes, atrelados às parcelas referentes aos pagamentos da sua compra a prazo.

Para falar a verdade, os juros simples estão presentes na nossa rotina de diversas formas. Nas compras do dia a dia ou nas aplicações financeiras, eles podem aparecer, por exemplo, para corrigir dívidas ou investimentos.

Portanto, entender como funcionam os juros simples é essencial para quem busca uma boa educação financeira. E se você é nosso leitor, significa que está em busca desse conhecimento! Então, continue com a gente para conhecer mais a fundo aprender, de uma vez por todas, a calcular os juros simples sem mistério!

Juros simples: O que é?

Os juros, na prática, são a remuneração que uma instituição ganha por te emprestar dinheiro. Os juros simples corrigem valores iniciais de operações financeiras ao longo de um determinado período.

Mas, por que simples? É que, todos os meses, o cálculo desse tipo de juros vai resultar no mesmo valor. Logo, o conceito de juros simples é: um valor que se ganha por emprestar dinheiro.

Quem empresta, é credor. Já quem pega o dinheiro emprestado é o devedor, que pode ser uma instituição financeira, empresa ou pessoa física. O deslocamento temporário de capital gera essa remuneração ao credor.

Logo, podemos sintetizar os juros simples como uma recompensa aos credores pelo serviço de emprestar um determinado valor.

E para que servem os juros simples?

Antes de entender a função dos juros simples, é preciso entender sobre inflação. O índice inflacionário, aqui no Brasil, representa a desvalorização da nossa moeda em relação ao poder de compra em um período determinado.

Ele é medido pelo IPCA, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo. Durante o tempo em que o dinheiro está emprestado ao devedor, ele será desvalorizado.

Por isso, os juros estão, normalmente, maiores do que a inflação. Dessa maneira, quem emprestou o dinheiro recebe de volta o valor corrigido – ou seja, valorizado.

Fora que qualquer pessoa ou instituição que empresa o seu dinheiro corre o risco de não receber o valor de volta, certo? Sendo assim, a recompensa financeira torna-se mais do que justa.

Dentro do mercado financeiro, os juros também são usados para o cálculo da rentabilidade de ativos financeiros. Percebeu a importância de calcular a remuneração de quem empresta dinheiro? Ela não existe à toa.

Entenda os conceitos do cálculo dos juros simples

Antes de aprender a calcular, é importante que você entenda quais são os conceitos envolvidos nesse cálculo. Ao todo, existem 5 conceitos que você vai conhecer agora. Confira!

Tempo (t)

Diz respeito ao tempo em que o dinheiro ficará emprestado. É a duração do contrato do empréstimo ou investimento que o consumidor está fazendo.

Esse conceito é levado em consideração porque o valor dos juros simples vai variar de acordo com a duração do empréstimo. Quanto mais tempo emprestado, maior a desvalorização do dinheiro, o que acarreta em juros mais altos.

Na fórmula que você vai aprender mais para frente neste texto, o Tempo está representado pela letra “t”.

Capital (C)

Na fórmula do cálculo dos juros simples, o Capital está representado pela letra “C”. Ele significa o valor inicial emprestado em caso de empréstimos e financiamentos, ou o valor investido inicialmente em algum ativo financeiro.

Trata-se exatamente do valor ainda livre de taxas ou demais acréscimos!

Taxa (i)

A Taxa é representada na fórmula matemática que calcula os juros simples pela letra “i”. Trata-se do índice que multiplicará o capital e resultará no valor da remuneração que o credor deverá receber por emprestar o dinheiro, ou no valor que você irá receber pelo investimento que realizou.

O valor é um percentual. Ele é utilizado como referência para a valorização do valor durante o determinado período de tempo.  Ela pode ser calculada de acordo com os juros praticados no mercado ou ser pré-fixada no momento do contrato.

Juros (J)

O Juros é representado na fórmula pela letra “J”. Aqui, calculamos o valor real da rentabilidade da operação, seja ela um empréstimo, financiamento ou investimento, por exemplo.

Devemos considerar o Capital como a referência do valor de onde tiraremos a porcentagem, certo? A partir da taxa (i) e do tempo (T) chegaremos ao valor de J.

Montante (M)

Quando somamos o Capital com os Juros, temos o Montante, que na fórmula está representado pela letra M. Diz respeito ao valor total + os acréscimos que o credor ou investidor irá receber.

Se o banco te empresta R$ 1.000 dividido em 10 meses, e todos os meses você paga R$ 100 de juros (10% ao mês), o montante final será de R$ 2.000.

Como calcular os juros simples?

Mencionamos acima que existe uma fórmula básica para que seja feito o cálculo da taxa de juros. Ela funciona assim:

  • J = C x i x t

Isso significa que o Juros é igual ao Capital Inicial vezes a taxa de juros vezes o tempo de aplicação!

Lembrando que:

  • J = Juros Simples
  • C= Capital Inicial
  • i = taxa de juros
  • t = tempo da aplicação

Após calculados os juros simples, basta somá-lo ao valor do capital inicial para saber o montante.

Por exemplo: digamos que você investiu 20 mil reais em uma operação que rende 0,5% ao dia. Agora, você deseja saber quanto será o seu montante dentro de 12 meses.

O cálculo deverá ser feito da seguinte maneira:

  • J = 20.000 x 0,0005 x 365 (número de dias em 12 meses)
  • J = 3.650.

Assim, em um ano, com uma operação financeira rendendo juros simples de 0,5%, você teria R$ 3.650 a mais. E o seu montante seria R$ 23.650.

Este artigo te ajudou a entender melhor como os juros simples funcionam e para que eles servem? Então, não deixei de compartilhar o que você aprendeu com seus amigos e familiares, através das redes sociais!

Em Alta

Aguarde…

0