Como organizar o dinheiro? Confira 3 orçamentos infalíveis

Quer dar um basta na desordem do seu dinheiro? Confira, agora, três formas de conseguir

Organizar o próprio dinheiro, para muita gente, é uma tarefa difícil. Você também sente a sensação de que é complicado colocar ordem nas suas finanças? Saiba que isso é mais comum do que você pensa.

Chega um momento em que ninguém consegue mais lidar com a desorganização do dinheiro! Às vezes, até mesmo quem ganha salários acima de média fica sem grana por causa dessa desorganização.

Você sabia que o salário mínimo no Brasil deveria ser R$ 5 mil? Pois é! Se organizando o que ganhamos já está difícil, imagina sem organizar, não é mesmo?

A boa notícia que é no artigo de hoje, isso termina pra você – claro, se você quiser! Vamos te mostrar como pôr em prática 3 tipos de orçamento para organizar a sua grana. Preparado? Então vamos lá.

1 – Fórmula dos 60%

Essa regra é conhecida lá fora pelo nome de 60% Solution! Quem a criou foi Richard Jenkins, famoso jornalista americano, editor chefe de um site de finanças, chamado MSN Money!

De acordo com ele, você deve utilizar 60% da sua grana para pagar as suas despesas e contas! Isso mesmo: esta é a porcentagem do valor que irá bancar água, gás, aluguel e todos os seus demais compromissos financeiros.

Os outros 40% devem ser utilizados para 4 diferentes demandas:

  • Guardar para reserva de emergência;
  • Guardar para aposentadoria;
  • Gastos supérfluos;
  • Guardar para planos de curto prazo;

2 – Regra 50-15-35

Apesar do nome complicado, essa regra é uma das mais simples para quem deseja organizar as finanças. Cada número é uma porcentagem do total do seu dinheiro, que você deverá utilizar para três tipos de categorias específicas.

De acordo com essa regra:

  • 50% do total do seu salário deve ser utilizado para gastos essenciais. -15% deverá ser investido em prioridades financeiras
  • 35% fica para o seu estilo de vida.

Mas, afinal de contas, o que está incluso em cada uma destas categorias? 

Gastos essenciais: O nome já diz tudo. Nessa regra, 50% do seu salário deverá pagar despesas fixas, como contas de água e luz, mensalidades escolares, planos de saúde, aluguel, IPTU, condomínio, transporte, alimentação.

Prioridades financeiras: De acordo com a criadora da regra, Elizabeth Warren, as prioridades financeiras de um cidadão baseiam-se, principalmente, em duas: pagar todas as suas dívidas e poupar dinheiro.  Portanto, pelo menos 15% do seu dinheiro deve ser utilizado especificamente com este propósito.

Estilo de vida: Aqui devem estar todos os gastos que sustentam o estilo de vida que você gosta! Todo o lazer entra nestes 35%. Afinal de contas, uma parte do seu dinheiro deve ser utilizada para que você possa se divertir e encontrar maneiras de ser feliz.

Como mencionamos, essas porcentagens podem ser adaptadas para a sua realidade. Quem tem muitas dívidas pode destinar uma maior parte do dinheiro para prioridades financeiras, por exemplo.

3 – Regra de um número só

Essa forma de organizar as finanças foi criada por Rachel Sanborn. Ela defende que as despesas fixas, que incluem dívidas e contas, devem ser sempre priorizadas. O que varia são os gastos flexíveis: nesse método, a única coisa que você precisa ter em mente é o valor que pode ser gasto semanalmente com eles.

Você já sabe que gastos fixos são os que acontecem sempre, os previsíveis: aluguel, contas e etc. Os gastos flexíveis mudam sempre. Tenha em mente o TOTAL que pode ser gasto com esse tipo de coisa e nunca, jamais ultrapasse esse valor.

Para chegar nesta porcentagem ou no valor em dinheiro, considere o total do seu salário e subtraia dele todos os seus custos fixos e também a grana que você guarda todos os meses.

Este resultado deve ser dividido por 4,3 – número médio de semanas por mês. Prontinho! Agora, você já tem um valor para gastar com “besteiras” todas as semanas e sabe que não pode ultrapassá-lo. Todo o resto estará pago.

Quando se trata de dinheiro, manter controle semanalmente é mais fácil do que mensalmente. Lidar com grana em pequenos espaços de tempo se torna mais eficaz, de acordo com o Dan Ariely, famoso economista comportamental.

Afinal, qual dos 3 tipos é o melhor orçamento?

Não existe um orçamento melhor do que outro. O que existe é o mais se adapta às suas necessidades. Os próprios tipos de orçamento podem ser modificados para que se aproximem mais da realidade de cada um.

O que você pode fazer é testar cada um deles e identificar o que mais se encaixa com o que você precisa. Promete que vai começar de algum lugar?

Então, conte conosco! Deixa o seu comentário aqui embaixo pra gente saber qual é a sua dúvida e não esquece de compartilhar este artigo com aquele seu amigo que vive falando que nunca sobra dinheiro no fim do mês. Será que ele não tá precisando organizar o próprio dinheiro?

Em Alta

Aguarde…

0